Depressão Atinge a Todos

4 de dezembro de 2014

Parte 1 

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a depressão afeta cerca de 340 milhões de pessoas no mundo e é causa de 850 mil suicídios por ano em todo o mundo. No Brasil, cerca de 13 milhões são depressivos.

Muitas são as causas, dentre elas: a sobrecarga no trabalho, na família, na educação dos filhos, e no controle da própria vida. Além disso, a relação com a autoestima também afeta – e brutalmente! – a nossa autoimagem. Uma coisa tem de ser dita: não podemos ser o mais belo, o mais inteligente, o mais carismatico, o mais atlético, o “mais-tudo”. Precisamos, de uma vez por todas, nos conformar com a nossa “medianidade”. Deus nos fez assim – e pronto! A verdade é que podemos melhorar em muitos aspectos; mas não em todos.

Super importante é enfatizar aqui que o sofrimento – sim, o sofrimento faz parte da vida e não deve ser visto como “fonte de toda a depressão”. O sofrimento, se encarado de forma errada, pode sim – aí, sim – pode transformar-se em fonte depressiva. Em uma sociedade consumista-hedonista que só valoriza o sucesso e a beleza, ou você embarca nesta canoa furadíssima ou aprende a se proteger dela. A escolha é sua, sempre foi!

A decadência da família e a perda de valores morais e religiosos são causas de depressão, afirmam psiquiatras de renome, como o suiço Paul Kielhoz. No Brasil, este desgoverno PTista-PMDBista et caterva que está aí há 12 anos, e irá continuar mais 4, muito tem feito contra, contra a família brasileira. Mas, quem se importa!? Afinal, 40 milhões de famílias (ou mais, muito mais!) vivem do bol$a-i$$o/bol$a-aquilo da esquerdopatia que prega “novos conceitos de família”, onde dois homens ou duas mulheres podem contrair matrimônio, e assim constituirem uma família. E muita gente “alfabetiizada” concorda com isso!

Segundo se observa, a depressão tem sempre dois lados: um físico e outro emocional. Fala-se de depressão como “leve”, “moderada” ou “forte”. Como tratar um depressivo? De duas maneiras: psicoterapias (clínicas pastorais/psicológicas) e medicamentos. Pode-se trabalhar em conjunto (que é o ideal). O caminho pastoral-espiritual deve sempre considerar o aspecto físico-psiquico. Oração pode muito sem seus efeitos (Tiago, cap. 5).

No entanto, em muitos casos, a ajuda medicamentosa é fundamental. Aqueles que pensam que basta orar e tudo se resolve, vêem-se decepcionados quando a pessoa volta à depressão – e mais forte ainda! O desconhecimento, a ignorância e o preconceito contra a psiquiatria (da parte de milhares de pastores) da parte da maioria dos enfermos (principalmente dos evangélicos) só dificultam as coisas. Triste e lamentável isso!

“Levantarei os meus olhos para os montes, de onde vem o meu socorro” Salmo 122.1

Todo o problema tem solução  – incluindo, é claro, a depressão!  Levante a cabeça! Erga-se de sua tristeza ainda hoje! Deus ama você. E você merece e vai viver bem melhor a partir de hoje!

PC Sampaio

PC Sampaio

Pr. Administrativo

Sem Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *